Os Halo Sport parecem um headset de som normalíssimo, mas “escondem” um original segredo: estimulam eletricamente o cérebro com o obetivo de melhorar a performance desportiva. E os atletas norte-americanos presentes nos jogos Rio 2016 este ano não os dispensam.

tek halo sport

O objetivo é auxiliar naquilo a que os criadores dos Halo Sport chamam de “treino inteligente”. Estes auscultadores “neurológicos” são capazes de estimular os impulsos elétricos nas regiões do cérebro que regem a aprendizagem relativa ao desporto e atividade física em geral, prometendo um desempenho superior ao normal.

Quem o garante é a equipa multidisciplinar da Halo Neuroscience, empresa norte-americana que se dedica ao desenvolvimento de neurotecnologia e que é composta por médicos, neurocientistas, engenheiros e designers. E, ao que parece, os atletas dos Estados Unidos que estão prontos para iniciar a competição nos Jogos Olímpicos deste ano no Rio de Janeiro, Brasil, já estão convencidos das “maravilhas” do treino neurológico que os Halo Sport proporcionam, supostamente.

Eles e também Michael Johnson, o emblemático corredor de provas de atletismo de velocidade, que faz questão que os atletas que frequentam o seu centro desportivo de alto rendimento utilizem este recurso tecnológico. Mas afinal como funciona a tecnologia neurológica dos Halo Sport?

Estes auscultadores incluem dois elétrodos que transmitem impulsos elétricos ao cérebro do utilizador durante o treino, que não pode ser de mais de 30 minutos por dia (o equipamento tem até uma funcionalidade que impede que a utilização seja superior à meia hora diária), e que deve até preceder a sessão de atividade física.

O atleta tem de humedecer ou molhar a zona da cabeça onde os Halo Sport “assentam” (à semelhança do que acontece com os sensores que integram as bandas de peito dos relógios cardíacos, por exemplo), para de seguida darem início à neuro-estimulação transcraniana, se quisermos ser um pouco mais técnicos.

Trata-se de uma técnica científica normalmente aplicada em casos clínicos de depressões e lesões cerebrais, por exemplo, sendo que a Halo Neuroscience coloca-a agora nuns auscultadores e combina o sistema com uma app para smartphone que ajuda a controlar o treino em exercícios baseados em repetições, principalmente.

Os testes efetuados pela equipa da Halo Neuroscience não demonstraram qualquer efeito secundário, pode constatar-se no site oficial da empresa, ao mesmo tempo que os resultados apresentados mostram que os atletas que usam os Halo Sports imediatamente antes da sessão de treino e competição duplicam a performance desportiva.

O case study dos atletas olímpicos norte-americanos na modalidade de saltos em ski ajudam a chegar a essas mesmas conclusões, denotando-se melhorias ao nível da atenção, concentração, equilíbrio e resistência dos atletas, como podemos ver pelo vídeo abaixo. Foram notados 13% de ganhos em propulsão e de 11% na suavidade e controlo, em apenas quatro semanas. A mesma tecnologia foi antes usada pelos militares dos Estados Unidos para melhorar a capacidade de tiro.

Os Halo Sport já podem ser reservados online e serão enviados a partir do outono, a troco de 649 dólares, cerca de 579 euros. Vejamos agora se os atletas que usam os Halo Sport regressam do Brasil com medalhas ao peito; se assim for e não for uma simples coincidência, estes auscultadores podem vir a provocar uma “revolução” no desporto e áreas afins.

Pin It on Pinterest

Share This
%d blogueiros gostam disto: