Sonhamos sempre, todos os dias; nem sempre, porém, lembramos de nossos sonhos

Sabe aquele sonho intenso que dá vontade de lembrar cada pedaço, mas então, quando você tenta contar para alguém durante o café da manhã, cadê as lembranças? O que acontece para que nossa memória não guarde os sonhos?

De acordo com neurocientistas, se as imagens oníricas foram embora assim, sem deixar lembrança alguma, talvez não tenham o impressionado de maneira significativa. Ou então, você não se esforçou o suficiente para mantê-las vivas em sua mente por mais tempo.

“A lembrança ou não desse sonho varia muito pelo impacto que esse sonho teve na gente”, afirma Magda Lahorgue, do InsCer (Instituto do Cérebro do Rio Grande do Sul).”Tem pessoas que lembram mais que outras. Mas não lembrar não significa que não tenha sonhado”, ressalta a neurocientista.

As pessoas costumam sonhar todas as noites, mas “poucas se lembram disso”, afirma Sidarta Ribeiro, diretor do Instituto do Cérebro da UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte).

Sonhos complexos? Depende do momento do sono

É preciso deixar claro, também, que ao longo da noite, temos diferentes estágios de sono e, consequentemente, tipos de sonho distintos.

Aqueles ocorridos no turno inicial do sono, na fase não-REM (rapid eye movement,ou “movimento rápido dos olhos”, em tradução livre) tendem da ser menos “complexos” do que aqueles ocasionados durante a fase REM, quando as ondas cerebrais se aceleram, alcançando uma atividade similar àquela que se passa quando estamos acordados.

“Nós podemos ter sonho todas as noites, em todas as fases do sono. Só que os sonhos que a gente tende a lembrar mais são os sonhos que acontecem na fase REM, que é a fase mais próxima ao amanhecer. São sonhos mais vívidos, são sonhos que têm um teor mais real”, explica Nunes.

São histórias complexas, muitas vezes repletas de cargas emocionais intensas, enquanto os sonhos da fase não-REM, são muito simples. “As imagens podem chegar a ser uma tela preta”, diz Ribeiro. “Acredita-se que sejam sonhos com conteúdo mais primitivo”, completa Nunes.

Além de serem menos intensos, estes sonhos da fase não-REM são menos “recordáveis”. “As coisas que acontecem no sono não-REM a gente não têm memória no dia seguinte. O sonambulismo, por exemplo, a gente não lembra no dia seguinte, porque acontece aí no não-REM”, compara Nunes.

Sendo assim, o momento em que despertamos –se durante o sono não-REM ou durante o sono REM– também é um fator determinante para a lembrança (ou não) de um sonho.

“Despertar do sono não-REM, sobretudo o sono de ondas lentas que se aprofunda ao longo da primeira metade da noite, costuma gerar relatos de sonho pobres ou mesmo ausentes”, explica Ribeiro.

O pesquisador recomenda uma técnica para fazer com que as lembranças do sonho permaneçam na memória do indivíduo em um período de tempo que vá além do café da manhã.

“Um exercício de auto-sugestão antes de dormir –‘vou sonhar, lembrar e relatar’– costuma ser bastante eficaz para gerar abundantes relatos de sonho, desde que a pessoa permaneça quieta na cama ao despertar, buscando apenas rememorar o sonho”, diz Ribeiro.

A noradrenalina: o fator extra

Esforçar-se para lembrar o sonho ao amanhecer pode ser uma maneira bastante efetiva de trazer à tona as lembranças oníricas da noite anterior. Mas há um neurotransmissor determinante para o “esquecimento” dos sonhos: a noradrenalina, que entre outras coisas, está ligada ao sistema de alerta do corpo humano.

“Os níveis de noradrenalina são quase nulos durante o sono REM, e esse neurotransmissor é crucial para prestarmos atenção em algo”, afirma Ribeiro. “Quando a pessoa acorda e sai da cama de repente, o influxo de noradrenalina do despertar funciona para reforçar as experiências da vigília e não as do sonho”.

Quando aquele sonho bom for embora, antes mesmo de escovarmos os dentes, então, já sabemos a quem culpar.

por, André Carvalho

Do UOL, em São Paulo

Pin It on Pinterest

Share This