src="https://cdnjs.cloudflare.com/ajax/libs/reading-time/2.0.0/readingTime.min.js
É isto que acontece ao cérebro quando dorme pouco

É isto que acontece ao cérebro quando dorme pouco

Quanto maior é a privação do sono, maior é a atividade das sinapses.

© iStock

A incapacidade de raciocinar devidamente e o cansaço mental que se sente ao longo do dia depois de uma, duas, três ou mais noites mal dormidas não são apenas um resultado do sono que se tem e que vai aumentado.

Diz um recente estudo da Universidade Politécnica de Marche, em Itália, que estas e outras consequências da privação do sono (como o cansaço físico, irritação e apetite desmedido) são causadas pelo simples facto de o cérebro se comer a si mesmo quando as horas de sono necessárias não são garantidas.

A investigação, publicada na revista Journal of Neuroscience, teve por base a análise do cérebro de ratos de laboratório, que foram divididos em quatro grupos conforme o tipo de sono que tinham: sono regular, acordar espontâneo, privação de sono e privação crônica de sono.

A análise cerebral teve como objetivo medir as sinapses e ainda o processo celular no córtex frontal, tendo sido os astrócitos o tipo de células mais analisado e aquele que se mostrou mais determinante neste processo ‘canibal’ do cérebro. Na prática, quanto menos forem as horas de sono, maior é a tendência para estas células começarem a ser ‘engolidas’ pelas sinapses (zonas do cérebro ativas e que se localizam entre uma terminação nervosa e outros neurônios).

Diz o estudo que foi possível verificar que quanto maior é a privação do sono, maior é a atividade das sinapses. O mesmo foi possível verificar no que diz respeito às microgliócitos… o que não é bom sinal.

“Nós mostrámos pela primeira vez que parte das sinapses estão literalmente a comer os astrócitos por causa da falta de sono, disse ao New Scientist um dos autores do estudo, o médico italiano Michele Bellesi.

Este processo mostrou ser mais intenso nos casos de privação de sono crônica (isto é, quando uma pessoa está mais do que cinco dias sem dormir), contudo, o próprio estudo diz que não se trata de uma consequência tão penosa para o cérebro como pode soar, até porque pode ser vista como um mecanismo de limpeza dos “detritos” mais velhos do cérebro.

Contudo, os cientistas italianos destacam que a privação do sono é verdadeiramente penosa para a saúde, especialmente para a saúde mental, uma vez que o aumento da atividade dos microgliócitos pode desencadear uma série de problemas cognitivos, sendo conhecida a sua ligação com o aparecimento de Alzheimer, por exemplo.

A função do sono, segundo as mais recentes pesquisas

A função do sono, segundo as mais recentes pesquisas

O SONO TEM DIVERSAS FUNÇÕES ORGÂNICAS, COMO POR EXEMPLO ‘LIMPAR’ O CÉREBRO DE TOXINAS ACUMULADAS DURANTE O DIA

Dormir garante que os estímulos que se recebe durante o dia sejam fixados na memória. Estudos sobre o assunto dão pistas para tratamento de depressão

Passamos um terço de nossas vidas dormindo. E ainda assim a ciência pouco sabe sobre as funções biológicas do sono – e o motivo real pelo qual dormimos.

Um estudo publicado em setembro de 2016 por pesquisadores da Universidade de Freiburg, na Alemanha, reforçou a hipótese de que ele serve para enfraquecer conexões neurais estabelecidas durante o período em que se passa acordado, o que ajuda a consolidar memórias e aprendizado.

A equipe do pesquisador Cristoph Nissen, que coordenou a pesquisa, conduziu testes em 11 homens e nove mulheres, de 19 a 25 anos, depois de uma noite de sono e de uma noite completamente acordados.

Aos participantes que passaram a noite acordados, não permitiu-se que tomassem café – mas eles podiam jogar, cozinhar e caminhar, por exemplo. Depois, de manhã, os pesquisadores usaram um pulso elétrico para estimular neurônios e causar contração em um músculo na mão esquerda.

Eles observaram que, entre os participantes que não dormiram, foi necessário um pulso muito mais fraco para ativar a contração muscular – o que indica que os neurônios estavam mais conectados e o cérebro mais ativo do que naqueles que tinham dormido à noite.

Outro teste estimulou neurônios para simular a atividade que acontece no cérebro quando memórias são fixadas. E os neurônios, nesse caso, demoraram mais para responder entre aqueles que não tinham dormido à noite. A conclusão: a fixação de memórias é diretamente prejudicada quando você não dorme à noite.

O que isso significa

Em resumo, uma das funções do sono confirmadas pelo estudo é garantir que os estímulos que você recebe durante o dia – das notícias que lê às conversas que tem, passando pelos amigos que encontra, os cheiros que sente e as coisas que vê – sejam fixados na sua memória.

Além disso, também fica claro que o sono atua como uma espécie de “reset” na atividade cerebral. Dormir acalma as conexões neurais para que nós possamos continuar fixando memórias e nos adaptando constantemente àquilo que vivemos.

Essa hipótese foi sugerida pela primeira vez em 2003, em um estudo conduzido pela Universidade de Wisconsin-Madison. Com a comprovação em testes de laboratório, ela ganha ainda mais força.

Não significa que essas sejam as únicas funções do sono. Outro estudo de 2013 demonstrou que, durante o sono, o corpo “limpa” o cérebro de toxinas acumuladas durante o dia, por exemplo.

A descoberta da Universidade de Freiburg também dá força para terapias de tratamento de depressão profunda que envolvam privação do sono.

A ciência já estudou os efeitos da privação do sono em portadores de depressão profunda, com resultados positivos – ao menos imediatos, já que a melhora de humor reportada é significativa.

Mas o método não é usado porque é insustentável: é muito difícil e pouco saudável ficar uma noite sem dormir. O coordenador da pesquisa, Cristoph Nissen, diz que 60% dos participantes que ficaram sem dormir reportaram uma melhora no humor.

Isso prova, diz, que temos uma ferramenta que é capaz de mudar completamente o humor de alguém em questão de horas. A ideia, segundo ele, é olhar mais de perto o que a privação do sono faz com o cérebro para desenvolver novos tratamentos para depressão.

Ana Freitas

google-site-verification: googlee73cd655be624699.html