Neurociências, Psicologia, Psicanálise e Medicina integradas na explicação do complexo de édipo

A compreensão da porção interna de nós mesmos é fundamental para trilharmos condicionamentos que nos permitam melhor gestar nossa capacidade de incorporar o raciocínio sob um eixo estruturado de razão. Compreender como o Complexo de Édipo é capaz de moldar nossa estrutura cognitiva é fundamental para o entendimento de nós mesmos.

Os neurônios assumem múltiplas funções de acordo e forma que se estruturam para gerar o vórtice de energia que irá condicionar como resposta um deslocamento na percepção de um movimento de ordem motora ou psíquica.

Cruzeiro

Entre estas funções que podemos aproximar da física está a condensação (um “soma” de atributos qualitativos que despertam o movimento); apreensão (um vórtice biológico capaz de reter energia e canalizar para outras direções e agrupamentos neurais o estímulo emergente); fixação (a propriedade de conversão da parte biológica em um nó que permite gerar apreensão), atenção (o deslocamento de energia em grande quantidade para uma região tornando sensível a excitação sobre o local); foco (reprodução de picos de energia sobre áreas específicas do corpo, numa área de maior retenção de estímulos dentro da zona de atenção); controle (condição de navegabilidade em que a utilização de uma trilha neural torna propício a migração de quantidades em termos de energia); limites (barreiras naturais de potencial de ação onde as intensidades de energia permitem ativar ou não, partes efetoras: músculos ou psique); resistividade (barreiras naturais que surgem pela experimentação que condicionam o agir do indivíduo impedindo a passagem da experiência que não sinaliza algo benéfico em nível de organismo).

Sigmund Freud desenvolveu uma teoria chamada Complexo de Édipo, no qual introduz o conceito de Superego. O Complexo, que é um agrupamento de funcionalidades sobre os neurônios, que despertam o indivíduo para a gestão de sua psique que fora batizado como sendo uma triangulação dos aspectos subjetivos que pais, na imagem do tutor masculino e, mães, como feminino, que possuindo funções distintas introduzem o indivíduo no controle de sua atividade mental.

A figura do pai, segundo o conceito edipiano, fornece ao indivíduo, os aspectos relacionados a sua resistividade, controle e limites, enquanto este conceito relativo a função materna, estará envolvida aos aspectos mais básicos e substanciais: como a habilidade de se introjectar conexões que é a aquisição e requisição do estímulo a partir da atenção, do foco, fixação, apreensão, percepção. As funções herdadas pelos princípios em que a mãe é provedora são primárias e devem desde cedo incorporar no laço que ela desenvolve com a criança. O pai tem uma função secundária, e à medida que essa mãe se convence que o filho já está suficientemente treinado para corresponder as demandas ambientais, a mãe passa a introduzir cada vez mais o pai no relacionamento com a criança-bebê até que a triangulação amorosa esteja completamente estabelecida.

Por fim, neste modelo de comportamento as funções do pai no final do processo de triangulação devem prevalecer como estrutura comportamental e vir a ditar as regras que esta criança passa a se subordinar como novo indivíduo inserido em uma sociedade.

Essa influência por parte dos pais, molda o cérebro da criança-bebê, e faz construir um elo que fora batizado por Freud como Superego (que reforça ou inibe uma ação mapeada pelo Eu), ou elemento de base social, e por Carl Gustav Jung como sendo uma representação ambiental que a batizou como Arquétipo.

É certo que Freud e Jung divergiram em suas colocações, porque Freud estava envolvido pelo processo na perspectiva de formação do fenômeno a partir de sua porção interna, e Jung por outro lado estava focado em uma perspectiva do fenômeno a partir da sua porção externa.

Onde para Freud a parte interna comandava, e na perspectiva de Jung o ambiente fornecia domínio sobre o indivíduo. Partes restritas de percepções que pertencem a ângulos distintos de um elefante indiano, onde o posicionamento de olhos vendados sobre partes do animal transmite diferentes perspectivas do mesmo fenômeno.

Uma vez que o indivíduo está preparado para absorver informações, controla-las e limitar o seu ponto de influência sobre o biológico, o processo de incorporação de novas unidades de conhecimento, dentro de uma lógica metadinâmica, metacognitiva e metafísica para corresponder com aquilo que se introjecta num nível de compromisso que permita o sujeito apreciar a vida sem grandes transtornos, dentro de uma qualidade de informação que é sua volição desejo de se deixar guiar. Porém o complexo de Édipo é um modelo inicial de transmissão de ligação sensorial, mas no decorrer da vida réplicas deste processo se dá estruturalmente pela incorporação de outros conceitos semânticos (arquétipos) que se estruturam e se condicionam a afetar indivíduos em lógicas e conteúdos variados.

Os pais apenas deram a base do ensinamento que irá permitir ao indivíduo se conectar com a realidade, porém o arcabouço ambiental é que verdadeiramente irá conectar o indivíduo com o mundo social que estará sujeito a enfrentar, compreender e a gestar durante toda sua vida.

O canalizar da pulsão foi herança da mãe, o canalizar dos limitadores herança do pai, porém a herança social será dada pelos arquétipos que irão servir de referência para o indivíduo que até o final de sua vida estará em constante desenvolvimento intelectual.

Muitos preferem ver os arquétipos como guias, e passam a perseguir sua estrutura de saber e conhecimento a partir de um processo de escuta que visa imitar os passos para a solidificação de conceitos que fizeram tais pessoas da sociedade vitoriosas em sua passagem terrestre (Exemplo Jesus de Nazaré).

Os guias são pessoas de referência, em que o comportamento do indivíduo que vê algo positivo sobre a ação, passa a se moldar para dar sentido por um processo de imitação, os mesmos movimentos reativos que conduzirá ao comportamento idealizado. O guia pode ser um livro, a herança de um sentimento, um indivíduo, um outro e qualquer referente ambiental que possa ser copiado como estrutura que possa ser canalizável a partir de um elo perceptivo e vir a fazer parte de insumo para se locomover dentro da triangulação edípica, onde se estabelece o vínculo do sujeito dentro de seu aspecto interativo com o habitat, consigo mesmo e com outros seres.

por Max Diniz Cruzeiro

DINO – Divulgador de Notícias

Cure o estresse, a depressão e a ansiedade sem medicamentos nem psicanálise!

Cure o estresse, a depressão e a ansiedade sem medicamentos nem psicanálise!

Alta Performance Humana

Inscreva-se no Programa “Aprenda Viver“

Depressão, Síndrome do Pânico, Medo, Fobias, Insegurança, Timidez, Baixa Auto estima, Estresse, Desmotivação, Desânimo, dificuldades no Relacionamento, Crises Conjugais, dificuldades na Educação dos Filhos, ou no Trabalho… Ou simplesmente para quem quer melhorar e ou desenvolver suas performances de atuação, a nível pessoal, espiritual, conjugal, ou profissional.

O Programa “Aprenda Viver” oferece resultados em apenas 10 Sessões (90 minutos cada).  Você vai encontrar respostas para superar as suas dificuldades e angústias pessoais ou profissionais, tirar dúvidas e obter  saúde, alegria de viver, crescimento espiritual,…  Qualidade de Vida. Conheça exemplos de sucesso em “Depoimentos“.

Numa visão holística e recorrendo ao que mais recentemente se têm vindo a descobrir sobre a condição e comportamento humano, as sessões trabalham a Educação Emocional e o Crescimento Espiritual, sem recorrer a medicamentos e com o diferencial do obter resultados no curto prazo, com inerentes reflexos na rápida recuperação da confiança e auto estima, de forma autônoma e permanente, ou seja, possibilitando que você aprenda a superar não só as dificuldades do momento, mas também as que eventualmente possam surgir no futuro, nos  diferentes aspectos da sua vida pessoal e profissional. Isso quer dizer que você passa a sentir o conforto,  segurança e estabilidade emocional, gerados pela obtenção do domínio das situações que a vida lhe proporciona,  aprendendo a agir de forma assertiva, construtiva e responsável. Tem por isso, também, significativas vantagens  de economia de despesas e tempo despendidos. Indicado para adolescentes, adultos, casais.   .

Aprenda Viver

 

.

Aprenda a entender e educar as suas emoções

No dia a dia deixamos, impotentes, que as emoções tomem conta da nossa vida. Elas antecipam-nos, levam-nos a atos, decisões e respostas que muitas vezes nos surpreendem e nos trazem arrependimento. Isso gera um estado permanente e por vezes imperceptível, de múltiplas inseguranças que afetam silenciosa e solitariamente a nossa interioridade, comunicação, determinação, motivação, coragem, espontaneidade, sociabilidade, realização, assertividade… Felicidade.

Programa Aprenda Viver

Programa Aprenda Viver